Transgênicos
  

Dê sua opinião:

Você é contra ou a favor dos transgênicos?



Escrito por Roberta, Simone, Audri e Cris às 19h43
[] [envie esta mensagem]


 
  

Escrito por Roberta, Simone, Audri e Cris às 21h32
[] [envie esta mensagem]


 
  

Você sabe o que é OGM?

Se você ainda não conhece essa sigla ainda vai ouvir falar muito dela. OGM quer dizer Organismo Geneticamente Modificado. Ou, simplesmente, transgênico. Trocando em miúdos, trata-se de um ser vivo cuja estrutura genética - a parte da célula onde está armazenado o código da vida - foi alterada pela inserção de genes de outro organismo, de modo a atribuir ao receptor características não programadas pela natureza. Uma planta que produz uma toxina antes só encontrada numa bactéria. Um microorganismo capaz de processar insulina humana. Um grão acrescido de vitaminas e sais minerais que sua espécie não possuía. Tudo isso é OGM.



Escrito por Roberta, Simone, Audri e Cris às 21h31
[] [envie esta mensagem]


 
  

Atividades:

Responda e comente sobre o assunto.

- Quais os danos à saúde e ao meio ambiente causados pelos transgênicos?

- Os transgênicos reduzem a necessidade do uso de agrotóxicos?

- Alguns cientistas e órgãos de pesquisa afirmam que ainda não foi comprovado que o transgênico faz mal à saúde e ao meio ambiente. Por que discriminar a tecnologia?

- Como é feito o controle dos alimentos e medicamentos feitos a partir de soja, com relação à presença de OGMs?

- Por que não consumir transgênicos? O que é realmente prejudicial ou não?

- Qual a diferença entre melhoramento genético e modificação genética?

- Existem medicamentos feitos com transgênicos?

- É verdade que estão desenvolvendo cigarros modificados para conter mais nicotina ?

- Existem bananas transgênicas?

- Existe o arroz dourado?
- Qual a base científica que justifica essa histeria dos transgênicos?

- Quando a soja transgênica foi liberada?



Escrito por Roberta, Simone, Audri e Cris às 21h29
[] [envie esta mensagem]


 
  

Escrito por Roberta, Simone, Audri e Cris às 20h43
[] [envie esta mensagem]


 
  

Escrito por Roberta, Simone, Audri e Cris às 20h42
[] [envie esta mensagem]


 
  

Escrito por Roberta, Simone, Audri e Cris às 20h40
[] [envie esta mensagem]


 
  

O Perigo dos alimentos transgênicos

Soja transgênica é liberada no Brasil e provoca uma polêmica: quais os efeitos dos produtos geneticamente modificados sobre a saúde e o meio ambiente?

Os riscos dos transgênicos

Não é simples nem inócuo mexer com a natureza. Muitos cientistas alertam para o perigo da manipulação genética. A empresa Delta & Pine, dos EUA, patenteou o gene classificado como terminador (exterminador). Ele é incorporado às sementes que plantadas e colhidas tenham sementes estéreis. Isto obriga o agricultor a comprar sementes sempre for plantar. Na América Latina, causaria grandes e negativos impactos.

O gene exterminador poderá ser lavado pelo vento junto com os grãos de pólen e fecundar as flores de plantas silvestres ou domésticas, tornando-as também estéreis, e provocando uma irreparável destruição do patrimônio biológico da humanidade.

Novos toxicantes podem ser agregados aos alimentos através da engenharia genética. Muitas plantas produzem naturalmente uma variedade de compostos como as neurotoxinas, inibidoras de enzimas, que podem ser tóxicos e alterar a qualidade dos alimentos. Geralmente, estes compostos estão presentes em níveis não tóxicos. Mas através da engenharia genética podem ser produzidos em altos níveis.

A qualidade nutricional dos alimentos da engenharia genética pode ser diminuída.

Pode ser significativamente alterada a quantidade de nutrientes nos alimentos engenheirados. Também sua absorção ou metabolismo no homem podem ser modificados.

Novas substâncias podem representar alterações na composição dos alimentos.

Novas proteínas que causam reações alérgicas podem entrar nos alimentos. Alergênicos são proteínas que causam reação na população alérgica. Transferidas de um alimento para outro, as proteínas podem conferir à nova planta as propriedades alergênicas do doador.

As pessoas normalmente acabam por identificar os produtos que as afetam. Entretanto, com a transferencia dos alergênicos de um produto para o outro, perde-se a identificação e a pessoa só vai descobrir o que lhe fez mal após a ingestão do alimento perigoso.

Os genes antibiótico-resistente podem diminuir a efetividade de alguns antibióticos em seres humanos e nos animais.

Cientistas usam genes antibiótico-resistentes para selecionar e marcar os organismos engenheirados que foram sucesso. Genes marcadores que produzem enzimas inativadas clinicamente, usando antibióticos, teoricamente podem reduzir a eficácia da terapêutica de antibióticos. Quando ingerida oralmente no alimento engenheirado, a enzima pode inativar o antibiótico.

MANUAL PRÁTICO DE PODA E ARBORIZAÇÃO URBANA
Eleutério Langowski & Neuceli Klechowicz
Com 42 páginas, a publicação tem sentido prático e é de muita utilidade para técnicos, planejadores e operários que se dedicam ao nobre trabalho de cuidar da Arborização Urbana das nossas cidades. A publicação é vendida ao preço de R$ 10,00 e pode ser adquirida por reembolso postal.
Contate-nos!

 



Escrito por Roberta, Simone, Audri e Cris às 20h34
[] [envie esta mensagem]


 
  

PLANTAS TRANSGÊNICAS: Riscos e Benefícios

A ciência é o resultado dos esforços feito pelo homem para conhecer e compreender o universo que o cerca, enquanto a tecnologia busca transformá-lo. A maioria dos cientistas se rege pelas normas éticas da ciência que são a precisão e a reprodução dos protocolos experimentais e espírito aberto à critica de seus pares. Um aspecto ético importante na atividade científica está relacionado com o resultado de seus experimentos, se eles serão ou não danosos ao meio ambiente, aos animais e particularmente ao homem. Nos últimos anos a ciência experimental mudou de natureza, pois dela hoje decorrem um conjunto de práticas, técnicas e máquinas que transformaram o nosso modo de vida, de tal maneira que a demarcação prática entre ciência e tecnologia vai aos pouco desaparecendo.

Apesar de interdependentes, a ciência e a tecnologia não se confundem; seus interesses e seu modo de funcionamento são diferentes. A primeira busca o conhecimento e a segunda procura agir sobre o mundo. Enquanto a primeira se esforça por compreender, a segunda busca dominar. É preciso distinguí-las, embora elas se completem. Este aspecto da ciência, ou seja a sua ligação estreita com uma tecnologia em expansão, é o que marca profundamente a vida social e cultural do mundo de hoje.

As mudanças na forma de vida estão relacionadas com as necessidades de sobrevivência tais como alimentos, moradia e segurança ou pode ser relacionada às aspirações humanas como o conhecimento e a arte. A possibilidade de mudar o mundo tem benefícios, custos e riscos inesperados, que por sua vez afetam os grupos sociais de maneira diferenciada. Dai, porque cada país deve definir a maneira como o homem vai usar a ciência e a tecnologia já que a sua vida futura disso vai depender.

Poucos hoje se dão conta da extensão e da velocidade do avanço do conhecimento em biologia e seu repasse para o sistema produtivo. Quando em 1973, Berg, Boyer e Cohn, descreveram a clonagem do primeiro gene, ninguém imaginaria a velocidade dos acontecimentos. Ao permitir a manipulação do material genético, a ciência ampliou a capacidade do homem em intervir nos processos biológicos, moldando o ser vivo para produzir produtos de seu interesse. O tempo entre a descoberta e apropriação do conhecimento por empresas tornou-se cada vez mais curto, os investimentos empresariais passaram a ultrapassar os estatais nos países mais desenvolvidos, de tal maneira que já se fala na nova indústria das ciências da vida interligando as indústrias química e farmacêutica e os agro-negócios.

Dentro deste contexto está a construção de plantas transgênicas, que teve início em 1983 quando foi relatada a transferência de um DNA de bactéria para planta. O tempo previsto para colocar uma variedade transgênica no mercado era de 10 anos com um investimento de 50 a 150 milhões de dólares. Assim, em 1992, o tomate construído pela Calgene foi desregulamentado nos Estados e comercializado já em 1994.



Escrito por Roberta, Simone, Audri e Cris às 20h33
[] [envie esta mensagem]


 
  

A propósito da segurança para a saúde dos alimentos geneticamente modificados

   Durante milhares de anos o homem foi intuitivamente selecionando, para uso alimentar, plantas que apresentassem maior rendimento, maior resistência a pragas e melhor qualidade . Com o tempo, a ciência veio auxiliá-lo nesta tarefa. Manifestação mais contemporânea desta aliança é o desenvolvimento, nas últimas décadas , de variedades de trigo, arroz, milho e soja com alto rendimento agrícola, capazes de alimentar uma população mundial crescente e urbanizada.

Podemos assim, dizer, que do velho Mendel aos contemporâneos Watson e Creek o melhoramento de plantas segue de perto o desenvolvimento científico

Há já muito tempo novas variedades vêm sendo produzidas a partir de técnicas tradicionais de cruzamento e melhoramento envolvendo transferência de genes através da reprodução normal, ou através de metodologias que alteram cromossomos, como a mutagênese química e a irradiação. Nos últimos 10 ou 15 anos , no entanto, introduziu-se uma nova tecnologia : a modificação genética para a produção de alimentos, chamada de "tecnologia do DNA recombinante".



Escrito por Roberta, Simone, Audri e Cris às 20h16
[] [envie esta mensagem]


 
  [ ver mensagens anteriores ]  
 
 
HISTÓRICO
 08/05/2005 a 14/05/2005
 01/05/2005 a 07/05/2005



OUTROS SITES
 Lista de alimentos transgênicos
 Reportagens Transgênicos
 Greenpeace


VOTAÇÃO
 Dê uma nota para meu blog!